Orçamento 2015 aprovado

CDelO Orçamento do Fluminense para 2015 foi aprovado na noite de ontem por 78 votos contra 34. Em uma sessão longa, o Conselho Deliberativo optou por acenar positivamente ao documento proposto pelo Conselho Diretor, embora algumas ressalvas importantes tenham sido lembradas na tribuna.

O clube novamente optou por seguir uma linha realista ao prever seu orçamento anual, sem portanto contabilizar como certas as receitas extraordinárias, que não são garantidas de acontecer. Dito isso, é hora de trabalhar e fica claro que precisamos urgentemente pensar em novas formas de fazer dinheiro para o clube. O lançamento dos novos planos de Sócio Futebol, também ocorrido ontem, é uma delas. Outra nova fonte é o patrocínio para as mangas, mas o uniforme segue com outras áreas a ser exploradas, tais como calção, número etc. Por último, a mais recorrente delas, venda de jogadores: neste caso esperamos que o Fluminense consiga segurar ao máximo as joias do time profissional ou, em último caso, que as negociações sejam executadas por valores altos e compatíveis com a qualidade dos atletas.

Entre algumas explanações de Vice-Presidentes e integrantes do conselho, vale ressaltar a fala do VP de Projeto Especiais, Pedro Antonio Ribeiro. Ele começou tocando na questão do CT, uma entrega prevista em sua pasta mas que ainda não saiu do papel, depois passou para a citação de um empréstimo pessoal ao clube e terminou com uma intervenção ruim ao mostrar a camisa tricolor já com o novo patrocínio nas mangas.

Não foram fornecidos detalhes sobre a ampliação do contrato com a Viton44, que estampará sua marca também as mangas da camisa do Fluminense, portanto, acreditamos que as condições globais deste novo negócio ainda precisam ser melhor explicadas pela diretoria.

Além disso, o uniforme exibido não contava com o logo da Frescatto e a apresentação atropelou completamente o setor de Marketing, cujo VP infelizmente vai completar um ano à frente da pasta e entregou muito pouco ao clube. Entretanto, essa demonstração pública de falta de diálogo entre setores soa nada profissional e enfraquece a imagem do Clube. Tal fato é muito ruim frente aos atuais e possíveis futuros parceiros comerciais, pois a reunião é aberta a sócios e jornalistas na parte externa da plenária, e com isso a camisa foi fotografada de forma clandestina e rapidamente circulou na internet sem o logo da Frescatto.

Ao presidente Peter, um recado claro foi dado: a força da mobilização da Flusócio ficou nítida novamente. O Clube possui demandas administrativas antigas que até hoje não foram realizadas e que foram recentemente pontuadas pelo nosso grupo. Consideramos imprescindíveis essas entregas, que certamente serão muito benéficas ao Fluminense e seus associados.

Em breve teremos outras reuniões importantes no Conselho Deliberativo, como a de aprovação de contas.

Realidade x Maquiagem

trans04Recentemente a mídia esportiva felizmente passou a dar alguma atenção às questões financeiras dos clubes. O Globoesporte.com noticiou que o orçamento do São Paulo FC, agremiação sempre tida como saudável financeiramente, foi aprovado com déficit estimado em R$ 53 milhões (com apenas 5 votos contrários). É um passo para se ter a peça orçamentária como algo sério, um diagnóstico para sanar as dívidas e apontar para um fluxo de caixa que possibilite os investimentos e pagamento das despesas correntes. Vale ressaltar que o clube paulista arrecada mais que o dobro do Fluminense e mesmo assim projetou um déficit maior, tendo em vista o alto custo do futebol (gastam com salários quase o triplo do Fluminense) e a manutenção do Morumbi.

Curiosamente, o Vasco da Gama, dirigido de maneira arcaica e conhecida por todos, faz justo o contrário do que fazem Fluminense e São Paulo. Orçou R$ 39 milhões com venda e R$ 4 milhões com empréstimo de jogadores, sem a menor base concreta. E mais R$ 45 milhões de patrocínio, valor que todos sabem que é irreal diante de um mercado retraído. Além disso, estima uma bizarra receita de R$ 5 milhões em partidas amistosas e uma supervalorização da receita de televisionamento, mesmo com o atual contrato estando em vigor até 2017. O clube dirigido por Eurico Miranda estimou ainda receitas com premiação dignas de equipes que conseguem a tríplice coroa (Campeão Estadual, Copa do Brasil e Brasileiro). Conseguiu assim um superavit orçamentário de cerca de R$ 70 milhões, que ao fim do ano certamente se provará equivocado.

A Flusócio considera o orçamento uma ferramenta importante para a gestão financeira e apóia uma peça coerente, sem devaneios nem receitas infladas baseadas em invencionices. Votaremos a favor do Orçamento 2015, porém, vamos cobrar o Clube para que a receita seja maximizada, pois existe muita capacidade ociosa para elevá-la, principalmente em patrocínio, publicidade, bilheteria, receita com associados e aluguel de espaços na área social. Sabemos que a venda de jogadores é fundamental para a manutenção de contas do clube, no entanto, entendemos que este deve ser o último recurso a ser buscado, sem que a venda seja feita às pressas, a valores abaixo do valor real do jogador.

Duas decisões pela frente

Fred300O Flu venceu o Barra Mansa por 4×2, mas o resultado não diz bem o que foi o jogo. Depois de muita chuva, o campo em Macaé, que já é pesado, ficou ainda mais difícil. O Flu não jogava bem e numa bola enfiada nas costas da zaga, com Gum muito mal posicionado, o Barra Mansa abriu o placar. Chegamos ao empate com Fred, após boa cabeçada de Kenedy, e viramos depois com um gol do garoto.

O segundo tempo foi tenso, nosso time não jogava bem a parecia exposto na defesa, o que fez a agonia durar até quase 30 minutos, quando Fred, de cabeça, aliviou o placar e Gerson depois ainda ampliou. Impressiona a maturidade e qualidade do menino de apenas 17 anos. Temos que segurá-lo de qualquer maneira até as Olímpiadas do ano que vem. É o mais promissor jogador de sua geração e pode nos render muito dentro de campo. No fim, os azuis ainda fizeram o segundo gol, mas nada que assustasse mais.

Ao fim da rodada, o Flu permaneceu a 2 pontos do G4, mas com um confronto direto com o Madureira e um Fla-Flu pela frente. Aí começa a preocupação: a FERJ ainda não divulgou os horários das partidas. É inadmissível que Botafogo e Madureira joguem em horário diferente do Fla x Flu, já sabendo do resultado. Se o Flu empatar no clássico, uma vitória do Madureira já o classifica, independente do último jogo. Ou seja: ficaríamos esperando por um tropeço do Botafogo contra o Macaé para chegar às finais. O Flu tem que tentar EXIGIR que os jogos sejam simultâneos ou que o clássico aconteça depois.

Estamos em guerra com a Federação e outros clubes e nossa situação na tabela ainda é difícil. Mas enquanto estiver disputando títulos e houver chances, o Fluminense tem obrigação de brigar até o último segundo.

Orçamento 2015

contasNo próximo dia 31 será votado o Orçamento de 2015 do Fluminense FC.

Mais uma vez o clube adotou uma estratégia conservadora na confecção orçamentária. Por “estratégia conservadora” entende-se não orçar receitas extraordinárias (como um possível patrocínio para mangas da camisa, venda de direitos sobre atletas, aumento da receita social com novos planos, aumento de bilheteria e premiação) nem forçar reduções absurdas nas despesas (como salários e fornecedores) para não inflar o resultado final com situações hipotéticas que fujam da realidade, como era frequente no passado e como ocorreu na apresentação de orçamentos de outros clubes brasileiros, onde receitas futuras de vendas de jogadores foram majoradas para a casa de dezenas de milhões de reais, assim como premiações, para valores equivalentes a times que conseguem fazer a “Tríplice Coroa”. Por outro lado, nestes clubes pagamentos de impostos e salários foram reduzidos em suas previsões, o que deixou resultado e caixa positivos, graças à aparente maquiagem.

A mesma estratégia conservadora foi adotada pelo Fluminense no último ano, quando foi orçado um déficit total de R$ 36 milhões. Comparando o valor realizado com o que foi orçado, o déficit realizado até Setembro de 2014 foi de apenas R$ 300 mil, ou seja, durante ¾ do ano, o déficit real foi de menos de 1% do déficit total orçado, o que corrobora a tese da adoção de orçamentos com viés conservador.

Adotando estas premissas, para 2015 foram orçadas receitas na ordem de R$ 137 milhões, gerando déficit operacional de R$ 5 milhões, desmembrado da seguinte forma: um pequeno superávit (cerca de R$ 100 mil) para o Futebol e déficits de cerca de 3,8MM (Social) e 1,3MM (Esportes Olímpicos). Porém, como a dívida do clube continua muito alta (mesmo com forte redução nos últimos anos), as despesas financeiras e de atualização de tributos tornam-se, proporcionalmente, muito elevadas. Para 2015 foi orçada despesa total de R$ 34 milhões nestas duas rubricas que servem, basicamente, para rolar a dívida. Com isso, o déficit total contábil foi de R$ 39 milhões, sendo que deste valor, R$ 11 milhões referem-se a custo de amortização de jogadores, meramente contábil. Desta forma, o déficit real apresentado é de R$ 28 milhões.

Com relação ao fluxo financeiro, seguindo com o viés conservador, a necessidade de caixa do clube será de R$ 46 milhões até Dezembro/2015. É importante salientar que mesmo com este perfil, o saldo seria positivo se fossem considerados apenas as entradas e saídas de caixa referentes ao período de 2015, demonstrando a preocupação atual em “gastar menos do que arrecada” nas operações correntes, estancando a geração de dívidas futuras.

O grande problema, mais uma vez são as dívidas passadas, que apesar de “controladas” e jogadas para o longo prazo através de acordos como Ato Trabalhista, Refis e Timemania  geram enormes desembolsos mensais. Apenas com estes acordos e mais dívidas bancárias o clube pretende gastar R$ 47 milhões até o final do ano. Ou seja, 43% das entradas atuais de caixa servem para pagar dívidas do passado, o que demonstra esforço em pagar débitos anteriores sem gerar novos, mas também evidencia a necessidade urgente de gerar novas receitas para fechar esta conta.

A Flusócio deliberou internamente na última reunião do grupo, realizada em 23/03, e decidiu que votará pela aprovação do orçamento por alguns motivos: Em primeiro lugar, existe a possibilidade latente de geração de novas receitas, que melhorariam imediatamente o resultado. Além disso, é visível o arrocho fiscal que o clube vem promovendo para pagar dívidas, sem comprometer as despesas correntes. Vale lembrar que em 2014 a redução da dívida foi na ordem de R$ 30 milhões, na contramão de outros clubes brasileiros que vem aumentando fortemente suas dívidas, gerando problemas para mandatos futuros, como bolas de neve. Para os próximos anos, o horizonte torna-se melhor, tendo em vista os aumentos de receita de TV e patrocinador master, o que possibilitaria o clube trabalhar com um perfil mais agressivo em suas operações correntes sem comprometer o atual aperto fiscal para pagamento de dívidas do passado.

Boa estreia de Drubscky

Fred Flu3x0CabofrienseNa estreia do treinador Ricardo Drubscky, o Fluminense passou com facilidade pelo Cabofriense no Maracanã. Jogando para pouco mais de 3 mil presentes, o Tricolor abriu vantagem no início da partida com um golaço do garoto Gerson, após rápida jogada de contra ataque. O segundo gol veio em boa jogada de bola aérea, finalizada pelo volante Edson e o terceiro marcado, de cabeça, pelo artilheiro Fred , após assistência de Vinicius. O centroavante marcou seu sétimo gol na competição e o de número 146 com a camisa do Fluzão.

Numa rodada onde Botafogo e Madureira tropeçaram e o Vasco venceu, mais uma vez, com um gol de pênalti no último minuto, o Fluminense voltou para a briga por uma vaga nas semifinais . O próximo desafio será em Macaé contra o desesperado Barra Mansa, domingo às 18:30. Convocamos os Tricolores do Norte Fluminense a lotar as arquibancadas do estádio Claudio Moacyr, empurrando o Flu para mais uma vitória, afinal, a FERJ já está fazendo sua parte para tentar impedi-la, ao tirar mais um jogo do Flu como mandante do Rio de Janeiro e escalar Índio como árbitro.

1 2 3 112