O que não mata fortalece

livro_fluCalar a torcida do Flamengo, mesmo perdendo por 2 a 0 e em menor número…

Lutar até o fim e conseguir o resultado quando ninguém mais, além dos verdadeiros tricolores, acreditava…

São pequenos sinais de algo grande está para acontecer.

Muitos decretaram que o Fluminense viraria pó ao fim da vitoriosa parceria de 15 anos. Esqueceram de Xerém. E esqueceram que os grandes ídolos são ídolos do clube, e não de um patrocinador.

Os que representam o atraso do futebol carioca estão batendo sem nenhuma cerimônia no clube que mais incomoda.

Esse campeonato carioca é uma bagunça. Mal organizado e comandado por uma máfia. Mas sem essa que não vale nada. Agora vale. E muito. Vale pela sua história, da qual somos protagonistas. E vale porque o Fluminense gosta de ser intruso. Pode ser em centenário de rivais. Pode ser desafiando matemáticos. Pode ser quando moribundos buscam a qualquer custo quebrar longos jejuns. Pode ser quando todos os subterfúgios são usados para nos prejudicar.

Pois é isso. Fizeram de tudo para matar o Fluminense na competição, mas ele ainda está vivo. E certamente mais fortalecido. Não importa o número. Sabemos que nossos torcedores que estarão no Engenhão farão muito bonito. Tão bonito quanto os títulos, glórias e jogos inesquecíveis que lá protagonizamos e que o arrendatário jamais sonhou em conseguir.

Rumo à decisão! Vamos Fluminense, com garra e com raça!

Que tudo vire combustível!

Juntos pelo TRINão há mais nada a surpreender de retaliação nessa justa briga travada pela nossa Diretoria contra os desmandos da FERJ. Também já está mais do que explícita a postura do Botafogo. Sua diretoria, ao invés de resgatar a grandeza do clube num ano onde precisa recuperar a dignidade, preferiu se aliar ao que há de pior e abrir guerra contra aqueles que lutam por um futebol carioca melhor.

Dessa vez, não há como convocar o nosso torcedor para pagar R$ 100 para assistir o jogo num estádio em obras. Atitudes pequenas de um clube outrora grande.

Como o Botafogo rasgou o acordo entre os disputantes das semifinais e liberou os benefícios aos seus associados, o Fluminense anunciou uma boa medida em defesa do seu torcedor que paga mensalidade: “uma vez que na primeira partida, no Maracanã, não houve o benefício para os associados, o Tricolor arcará com a diferença no valor do ingresso para cada sócio neste segundo jogo semifinal”. A ação ameniza o problema, mas infelizmente não resolve para o torcedor não sócio. Ao menos, às custas o esforço financeiro do Fluminense, teremos igualdade de condições no acesso aos caros ingressos por parte das duas torcidas.

Um campeonato como esse merecia desprezo. Mas ser campeão está no nosso DNA. Ainda mais quando tudo está contra.

O que é tudo isso para quem ganhou o estadual no centenário do maior rival, quando este apresentou a sua mais impactante contratação de todos os tempos?

O que é tudo isso para quem foi campeão brasileiro no centenário do time mais protegido do país, que tinha em campo nada mais nada menos do que o Fenômeno?

O que é tudo isso para quem foi campeão brasileiro no ano em que toda a mídia se mobilizou em torno do time grande que buscava quebrar seu jejum de mais de 40 anos sem títulos nacionais?

Contrariar o senso comum faz parte do Fluminense. E cada sacanagem… Cada pequeneza que estão fazendo sem cerimônia servirá de combustível para nossos guerreiros em campo.

No sábado estaremos novamente jogando uma partida decisiva num estádio que nos traz tão boas lembranças, um palco que seria virgem de voltas olímpicas se não fosse o Fluminense. Que os jogadores entrem em campo com o espírito guerreiro que começa a tomar conta novamente da torcida.

Avante Fluminense, time de Guerreiros!

Flu conquista o Certificado de Clube Formador

xerem_alojamentosDepois de uma longa espera, o Fluminense finalmente conquistou o Certificado de Clube Formador (CCF), um registro que garante entre outras coisas, segurança jurídica para o clube no caso do atleta formado na base tricolor assinar seu primeiro contrato de trabalho com outra instituição esportiva. Neste caso, o certificado garante uma indenização ao Fluminense.

A demora em receber o CCF foi de exclusiva responsabilidade da FERJ, visto que a CBF passou a tarefa de conceder a certificação para as federações estaduais, mas mesmo após a FERJ ter recebido toda documentação exigida pelo Fluminense, nunca agendou visita ao Centro de Treinamento Vale das Laranjerias (CTVL) para avaliar se todas as exigências previstas em lei foram cumpridas. Com isso, o processo foi atrasado em mais de 1 ano, e o Clube teve que solicitar ajuda diretamente à CBF para obter a vistoria e o certificado.

Para obtenção do Certificado de Clube Formador, o Fluminense cumpriu os cinco requisitos básicos abaixo:

I – apresentar relação dos técnicos e preparadores físicos responsáveis pela orientação e monitoramento das respectivas categorias de base, com habilitação para o exercício da função;

II – comprovar a participação em competição oficial da categoria;

III – apresentar programa de treinamento, detalhando responsáveis, objetivos, horários e atividades, compatíveis com a faixa etária, atividade escolar dos atletas e período de competição;

IV – proporcionar assistência educacional que permita ao atleta freqüentar curso em horários compatíves com as atividades de formação, em qualquer nível (alfabetização, ensino fundamental, médio, superior, ou ainda curso técnico, profissionalizante, de capacitação ou de idiomas) mediante matrícula em estabelecimento de ensino regular ou através de professores contratados, mantendo controle sobre a freqüência e o aproveitamento escolar do atleta;

V – proporcionar assistência médica aos atletas, através de profissional especializado contratado, terceirizado ou mediante celebração comprovada de convênio com instituições públicas ou privadas de modo a permitir o seguinte:

a) avaliação pré participação realizada necessariamente por médico com especialização, ou experiência, em medicina do esporte, cardiologia ou clínica geral, e ainda por ortopedista, a qual deverá seguir as diretrizes da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte, com vistas à prevenção de morte súbita;

b) exames complementares mínimos tais como: hemograma completo, glicemia, teste de afoiçamento de hemácias, parasitológico de fezes, urina (EAS), ECG basal e RX de tórax, assim como outros necessários para diagnóstico do estado de saúde do atleta;

c) calendário de vacinação atualizado (calendário oficial do Ministério da Saúde) e realização de exames periódicos anuais;

d) manter departamento médico dotado de área física e instalações compatíveis e apropriadas, equipado com material e medicamentos para atendimento básico e primeiros socorros, sob a responsabilidade de um médico e contando ainda, nos horários de funcionamento, com auxiliar de enfermagem e médico;

e) manter prontuário médico individual para cada atleta, devidamente atualizado, além dos registro diário dos atendimentos;

f) garantir meios para diagnóstico e tratamento de patologias, intercorrências e lesões;

g) dispor de centro de reabilitação, próprio ou conveniado, sob a responsabilidade de profissional habilitado e inscrito do CREFITO, com o mínimo de material e equipamentos que permitam a recuperação de lesões comuns;

h) comprovar que propicia assistência psicológica, por profissional habilitado e inscrito no CRP, mediante convênio com instituições públicas ou particulares, ou concurso de profissional contratado, que destine pelo menos (4) horas semanais ao clube;

i) comprovar que disponha de meios que permitam, de forma constante e contínua, proporcionar assistência odontológica aos atletas em formação através de medidas preventivas e terapêuticas, tanto por meio de serviços terceirizados, próprios ou conveniados;

j) sem prejuízo da atividade esportiva, facultar a visita de familiares do atleta, a qualquer tempo, e proporcionar, às suas expensas, ao final de cada temporada oficial (assim determinado no calendário de cada entidade de administração), meios para que o atleta possa viajar à sua cidade de origem, quando for o caso, com o objetivo de conviver com seus familiares até a data marcada para sua reapresentação, por força de competição ou início de próxima temporada;

k) garantir aos atletas em formação e que sejam residentes no clube, mínimo de (3) refeições diárias (desjejum, almoço e jantar), planejadas por nutricionista e servidas no clube ou fora dele, sendo exigível loca adequado e em boas condições de higiene e salubridade. Aos atletas em formação não residentes no clube será assegurado lanche em cada período de treinamento de que participar;

l) assegurar transporte para treinos e jogos, às expensas do clube e realizado pelos meios permitidos na legislação;

m) comprovar o pagamento mensal de auxílio financeiro para o atleta em formação, sob a forma de bolsa de aprendizagem, livremente pactuada mediante contrato formal, sem que se constitua vínculo empregatício entre as partes;

n) apresentar plano de contingência médica que garanta, nos locais de treinamento e jogos, pessoal, material e equipamentos de primeiros socorros, atendimento imediato e meios para o pronto transporte da vítima, quando necessário;

o) comprovar a existência, às suas expensas, de um seguro de acidentes pessoais, para cobrir as atividades do atleta em formação;

p) manter alojamento com área física proporcional ao número de residentes, dotado de ventilação e iluminação natural, em boas condições de habitabilidade, higiene e salubridade, com mobiliário individual, assim como e da mesma forma, banheiros e área de lazer;

q) fornecer aos atletas uniformes de treino e jogo, além de roupa de cama, mesa e banho, material de limpeza e higiene pessoal.

Vale ressaltar que, de acordo com a Lei Pelé, o clube que possui o CCF fará jus a um valor indenizatório de até 200 vezes os gastos comprovadamente efetuados com a formação de atletas, caso seja impossibilitado de assinar o primeiro contrato profissional por oposição do atleta ou quando ele se vincular, sob qualquer forma, a outro clube, sem autorização expressa do clube formador.

O assédio de gigantes europeus a Kenedy e Gérson ratifica o que os clubes brasileiros já sabem há tempos: a gestão de base do Fluminense FC vai se consolidando como uma das melhores do país. Mesmo frente ao estrangulamento financeiro do clube nos últimos anos, o clube não deixou de dedicar investimentos ao CTVL, e os frutos vão aparecendo.

O Fluminense é o único time grande do Rio de Janeiro a ter o Certificado de Clube Formador (CCF). Parabéns ao Fluminense e a gestão Peter Siemsen, que sempre investiu em Xerém, transformando o “Carandiru” das gestões passadas em um centro de referência de formação de jogadores.

Além da certificação de que o trabalho é de extrema qualidade, vale lembrar que o documento também ajuda a blindar o Fluminense de futuros aliciamentos como o do caso Paulo Vitor. Parabéns aos envolvidos e que o clube invista ainda mais na capacitação de jovens. Nosso futuro está ali.

Hoje à 21:30h, na SPORTV, o time sub-17 do Fluminense joga contra o Botafogo no primeiro jogo pelas quartas de final da Copa do Brasil, no Estádio Los Larios, em Xerém.

As maiores vítimas do artilheiro

Fred vibraAlém de quebrar importantes marcas no ultimo sábado (301 gols na carreira, 150 no Fluminense e o posto de sexto maior artilheiro do clube), os dois gols do atacante Fred serviram para consolidar ainda mais o Botafogo como sua maior vítima, desde que passou a vestir a camisa Tricolor.

Ficamos na torcida para que o atacante não seja suspenso de forma injusta pelo TJD-RJ e possa estar em campo no próximo sábado, de preferencia, deixando mais uma vez sua marca em sua vítima preferida.

Abaixo segue a lista dos 10 clubes que mais sofreram gols do atacante, desde que passou a atuar pelo Flu:

Botafogo 13
Palmeiras 7
Bangu 6
Cruzeiro 6
Vasco 6
Avaí 5
Corinthians 5
Grêmio 5
Portuguesa 5
Sport 5

Flu em vantagem na semifinal

Fred300

Num jogo equilibrado, o Fluminense conseguiu se impor nas conclusões e bateu o Botafogo por 2×1, na primeira partida das semifinais do campeonato carioca 2015. O resultado foi muito importante, pois com a vitória o Tricolor conseguiu reverter a vantagem de dois empates alvinegra. A partir de agora, é o Flu que depende apenas de um empate para avançar às finais. Mesmo uma possível derrota por um gol de diferença ainda levaria a decisão para os penaltis.

Nesta partida, certamente o treinador Ricardo Drubscky ganhou alguns pontos com a torcida: mostrou principalmente coragem ao deixar Wagner no banco para a entrada de Vinícius, que vinha sendo mais produtivo ultimamente. Também enxergou bem o panorama do jogo ao sacar Lucas Gomes no intervalo, pois o atacante fez uma partida abaixo da crítica. O time melhorou muito no segundo tempo com a entrada de Marlone em seu lugar.

O destaque absoluto da partida foi o atacante Fred, que marcou duas vezes, decidindo mais um clássico. O ídolo tricolor superou Russo, completou 150 gols marcados pelo Fluminense e se tornou o 6o. maior artilheiro da história do Clube. Além disso, o primeiro gol de Fred foi o de número 300 em sua carreira, uma marca expressiva num futebol cada vez mais competitivo, equilibrado e com poucos espaços em campo.

No primeiro gol, Fred concluiu perfeito de cabeça após uma grande jogada de Gerson pela direita, realizada após bom lançamento longo de Vinícius. O garoto limpou a marcação e fez um cruzamento milimétrico para o camisa 9 se deslocar da marcação e cabecear forte no ângulo do goleiro adversário, que não teve qualquer chance de defesa.

No segundo gol, o camisa 9 cobrou com frieza e categoria um penalti claro cometido pela zaga alvinegra, num lance em que o defensor adversário bloqueou com as duas mãos uma tentativa de cruzamento pela esquerda do ataque tricolor.

Mas infelizmente, no contexto atual do futebol carioca, parece que o jogador mais expressivo da competição e artilheiro do campeonato não recebe marcação acirrada apenas dentro de campo: em tempo recorde, Fred vai a julgamento pelo TJD-RJ na próxima quarta-feira, por conta do desabafo realizado após o Fla x Flu do dia 05 de abril, quando foi expulso injustamente. Enquanto isso, os 4 jogadores de Flamengo e Vasco expulsos no clássico do dia 22 de março estranhamente tiveram seus julgamentos adiados pelo mesmo tribunal, ainda sem previsão de data.

Não há motivos para comemorar pois o Botafogo tem um time organizado e que vai dar muito trabalho ainda, mas a vitória no clássico decisivo enche a torcida de esperanças de realizar uma final de estadual após 3 anos. Avante Fluminense! Contra tudo e contra todos!

1 2 3 115