Agora é Sula!

FluxCatolica-EcuApós duas partidas fora de casa, o Fluminense volta para o Rio de Janeiro somando 4 pontos dos 6 disputados, com vitória por 3×0 diante do Avaí, na Ressacada, e empate em 1×1 contra o São Paulo, no Morumbi.

Se forem consideradas as dificuldades com desfalques importantes e uma tabela ingrata até aqui, o balanço pode ser considerado positivo: o time está brigando por G6 e terminará a rodada apenas 1 ponto atrás do 6o colocado.

Na próxima quinta-feira às 21:45h, o Flu deixa o campeonato brasileiro de lado para focar na Copa Sulamericana. A partida contra o Universidade Católica do Equador abre mais uma fase eliminatória do torneio, que melhorou muito em prestígio nas últimas edições, com premiações mais expressivas e classificação do campeão para a Libertadores e Recopa Sulamericana.

A presença da torcida será decisiva, pois o Flu joga por um bom resultado dentro de casa. O jogo da volta será em Quito, como todos os problemas provocados pela altitude, que jogam a favor do adversário.

A venda antecipada segue em andamento. Checkin para sócios também. Clique aqui para conferir todas as informações sobre ingressos.

#VemProJogo #SejaSócio

Filosofia que tem o nosso apoio

MT Facebook

Ontem o Flu nos brindou com uma boa vitória fora de casa contra o Avaí, por 3 x 0. Com o resultado, o time tricolor tem boas chances de terminar a rodada no G6.

Ainda em Florianópolis, o gerente de futebol Marcelo Teixeira escreveu um longo texto público no Facebook, onde detalhou como vem sendo executada a estratégia para as divisões de base no clube, um projeto complexo e ainda em andamento.

O texto deixa claro que o bom aproveitamento dos garotos entre os profissionais não é obra do acaso. Existe filosofia detalhada por detrás, ações que geram frutos e fazem o Fluminense avançar. Decidimos transcrever aqui o texto do Marcelo Teixeira, pois o artigo é uma leitura interessante para todos os tricolores.

____________________________________

“Nos últimos dias a imprensa tem destacado bastante a utilização na equipe profissional dos jogadores formados nas divisões de base do Fluminense.

O clube chegou a uma marca impressionante de 18 jogadores utilizados esse ano e que foram formados em Xerém.

Escrevo esse texto por que gostaria de esclarecer e destacar algumas coisas e deixar claro que existe um projeto e uma filosofia por trás disso tudo que está acontecendo e sendo falado.

A chegada do treinador Abel e do gerente de futebol Alexandre Torres, ambos formados na base do Fluminense, e que hoje estão a frente do futebol profissional do clube, foram o ponta pé inicial para colocar em prática uma nova ideia de futebol no Fluminense. Uma nova filosofia.

Também é preciso destacar que esta utilização excessiva de jogadores formados em casa, está ocorrendo também muito em função das fortes restrições orçamentárias que foram impostas ao departamento de futebol. Sabemos que não se faz futebol apenas com jovens. Com atletas da base. Atletas experientes sempre serão fundamentais para qualquer projeto de futebol vencedor.

A nova gestão do presidente Abad, que iniciou em Dezembro de 2016, estabeleceu novos procedimentos de trabalho para o futebol, onde este terá que andar de forma totalmente alinhada com o departamento financeiro.

E assim, tendo que arcar esse ano com valores financeiros extremamente relevantes que foram assumidos em 2015 e 2016, o Fluminense viu seu fluxo de caixa para o ano de 2017 totalmente comprometido e bastante aquém de suas possibilidades de arrecadações. E com isso não restou outra opção para o clube, com objetivo de que as contas voltem a ficar equilibradas, que não fosse uma grande restrição financeira para todas as áreas e principalmente para o futebol.

O Fluminense só contratou um jogador em 2017. Sinto falta na imprensa de informações que destaquem quantos atletas cada clube contratou na série A. E quanto se gastou com essas contratações. Chega a ser inacreditável que um time com apenas uma contratação no ano, a custo zero, esteja conseguindo uma performance como a atual, onde por exemplo, o título do campeonato carioca diante de um adversário com um orçamento três ou quatro vezes maior só não veio por conta de uma arbitragem bastante infeliz no último jogo do campeonato.

E hoje começa a ficar bastante claro para todo o mercado do futebol que o trabalho realizado pelo treinador Abel Braga e pelo gerente de futebol Alexandre Torres + comissão técnica e demais integrantes do depto de futebol aliado ao projeto de base que começou a ser desenvolvido a cerca de três/quatro anos atrás, vem sustendo e fazendo com que o Fluminense tenha certo destaque no ano de 2017, mesmo diante de todas as grandes dificuldades citadas anteriormente.

E nosso projeto de base, que como citei começou a três/quatro anos atrás, pode ser considerado diferente do que vemos atualmente no mercado de futebol brasileiro.

Não sei dizer se é melhor ou pior, digo apenas que e diferente. Hoje existem vários clubes com excelentes profissionais fazendo grandes trabalhos de formação de atletas no Brasil. Impossível apontar que é melhor ou pior.

Mas o Fluminense seguiu um caminho diferente de todos. Um caminho próprio. Com objetivos definidos e bastante claros que tem como uma das metas criar uma identidade/marca própria de formação e desenvolvimento de atletas dentro do cenário do futebol brasileiro, sul-americano e mundial.

Criamos um Projeto de Plano de Carreira para os atletas formados na base. Criamos um Projeto Internacional. Estabelecemos um projeto de Performance junto com Michael Johnson Performance (que esse ano fomos obrigados a encerrar devido a restrições orçamentárias). Colocamos curso de inglês na base em parceria com a escola de idiomas Brasas. Assumimos o controle e a gestão total de um clube na Europa (cujo o custo anual representa a metade do salário de um bom jogador da equipe principal do Flu). Estabelecemos uma Metodologia própria de formação e desenvolvimento de atletas de alta performance. Fizemos inúmeras viagens internacionais com objetivo de qualificação pessoal e profissional dos atletas e profissionais da base do Flu. Criamos uma grande rede de Escolas de Futebol, Guerreirinhos, ligadas tecnicamente e metodologicamente as divisões de base do clube. Integração maior do futsal, através de métodos e plano de carreira para os profissionais do Futsal, com a Academia de Xerém. E desenvolvemos ainda diversos outros projetos de menor porte que também suportam e turbinam o processo de formação e desenvolvimento de atletas realizado em Xerém.

Seis pilares servem como sustentáculos de nosso projeto de formação e desenvolvimento de atletas: 1 – Filosofia e Gestão; 2 – Identificação de Talentos; 3 – Metodologia de Formação; 4 – Qualificação de Profissionais; 5 – Projeto Internacional; 6 – Infraestrutura e Tecnologia

Tenho orgulho de destacar o lema que criei e que hoje serve como “Norte” para a filosofia e para o trabalho desenvolvido na base do Flu: “Faça uma melhor pessoa que teremos um melhor jogador de futebol”.

Essa filosofia está totalmente entrelaçada com a criação de nosso clube na Europa, onde possibilitamos aos nossos atletas uma oportunidade única de desenvolvimento pessoal (“Faça uma melhor pessoa e teremos um melhor jogador de futebol”) dentro de um país Europeu, através do aprendizado de uma nova língua (a língua oficial de nosso clube é o inglês e nossos atletas ao pisar em solo europeu recebem aulas diárias de inglês), vivenciar novas culturas (nosso clube está situado a uma distância pequena de capitais europeias importantes como Viena, Budapeste, Bratislava, Praga), experimentar novos hábitos alimentares, viver num clima e temperatura bastante adversa e completamente diferente do Brasil, conviver com pessoas (europeus) com mentalidade completamente diferente da brasileira, viver por conta própria e com isso assumir maiores responsabilidades em sua vida pessoal, distância da família e amigos e por fim, não menos importante, ter a vivencia e experiência dentro de um futebol totalmente diferente do brasileiro, onde as exigência físicas e táticas, principalmente, são muito mais fortes e complexas do que a que vivenciam no futebol brasileiro. Importante destacar que o treinador de nossa equipe na Europa é Europeu e com certificado UEFA Pro, grau máximo ofertado pela entidade maior do futebol europeu.

Vale destacar também que nosso clube na Europa ainda ajuda na Qualificação dos profissionais da base do Fluminense, que tem a oportunidade de “estágio” na Europa por períodos determinados de tempo. Hoje já são quatro profissionais da base do Flu com experiência de ao menos 6 meses de Europa.

O STK Fluminense Samorin, tem definido 8 objetivos claros num projeto que foi colocado no papel e que serve como base para todo o trabalho que é realizado.

E um desses objetivos, que é estabelecer e ampliar a marca do Fluminense no mercado europeu vem avançando de forma significativa.

Partindo para nosso terceiro ano de projeto, ainda um bebê recém-nascido, adotaremos a partir da próxima temporada um novo escudo na camisa que incorpora as cores verde, branco e grená, adotaremos o nome STK Fluminense Samorin, seguiremos usando a camisa do Fluminense em metade dos jogos, avançaremos nas transmissões dos jogos para o Brasil através da internet, avançaremos e intensificaremos o processo de comunicação única Fluminense Brasil e Fluminense Europa via mídias sociais, principalmente. Enfim, são diversas ações que visam divulgar o trabalho de formação de atletas e a marca Fluminense.

Um novo grupo de dez jogadores da base do Fluminense está em fase final de preparação para embarcar para a Europa nos próximos dias. Serão os próximos a beber da fonte STK Fluminense Samorin. Farão parte da equipe principal e equipe sub 19 na temporada europeia 2017-2018.

Serão os próximos a participar, como estamos dizendo internamente, de nosso MBA ou pos graduação na Europa.

Hoje no elenco principal do Fluminense temos o orgulho de destacar que diversos dos jogadores que começam a despontar na equipe, tiveram a oportunidade de passar por alguns dos projetos que citei acima.

Mais da metade desse atletas da base que estão no profissional do Fluminense tem ao menos o nível intermediário de inglês devido a um de nossos Pilares, o Projeto Internacional.

Satisfação enorme testemunhar o amadurecimento desse processo depois de um longo caminho percorrido.

Num texto que escrevi no começo desse ano, destaquei que todo o trabalho no futebol que envolve filosofia e metodologia para formação e desenvolvimento de atletas jovens, deve ser encarado como de longo prazo.

De forma prática, estamos a quase quatro anos construindo e desenvolvendo uma ideia de projeto na base do Fluminense. Está claro que muita coisa foi feita, porém está muito claro também que ainda temos muito o que fazer. Estamos talvez passando da fase de curto para médio prazo. O longo prazo ainda está a frente no horizonte.

E por saber disso, existem planos, objetivos, sonhos e claro, um planejamento de trabalho em direção a esse futuro. Em direção a esse longo prazo.

Porém o que é mais interessante e muito desafiador nessa história toda são os “issues” que temos que enfrentar e procurar endereçar da melhor forma possível para que esses projetos de longo prazo possam dar resultado, mesmo sabendo que quase todos eles são “issues” inerentes ao futebol brasileiro (e claro, muito prejudiciais a realização de um trabalho de excelência em formação de jovens atletas que sempre é de médio/longo prazo):

1 – Imediatismo – no futebol brasileiro, isso faz parte de nossa essência como povo que somos, o amanhã tem pouca importância. O hoje tem muita importância. Ninguém quer saber de projeto de médio/ longo prazo. Todos querem resultados imediatos. Não existe visão de futuro. Se não ganhou hoje, não presta. Se ganhou, é o melhor. A paciência não existe. O pavio é curto. Muitoooo curto por sinal.

2 – modelo político dos clubes – no Fluminense, alguns clubes pior, a cada três anos eleição. Eleição não, guerra. Nada importa nas eleições dos clubes que não seja a vitória nas urnas. “Um lado é excelente e o outro lado não presta.” Claro que isso afeta ou ameaça diretamente ou indiretamente qq trabalho de médio/longo prazo, já que constantes mudanças são realizadas nos deptos de futebol de acordo com os grupos políticos que vencem as eleições.

3 – situação social e econômica do país – esse ponto afeta diretamente o futebol brasileiro e a formação de atletas. Sabemos que a grande maioria de nossos jogadores vem de camadas sociais mais baixas. E temos inúmeros problemas sócias no país que afetam, principalmente, essas camadas da sociedade. Muitos dos meninos carregam problemas familiares graves que claro, afetam diretamente sua formação como ser humano, sua formação como pessoa. Temos um ensino público que não recebe a devida atenção das autoridades, que não recebe os devidos investimentos financeiros necessários. E se não tem atenção e investimento não pode ter alta qualidade. E assim, não conseguimos dar a educação necessária para nossos jovens cidadãos. E isso também afeta a formação como ser humano de nossos meninos. Quando tocamos nesse ponto fica claro o por que de nosso lema: ” Faça uma melhor pessoa e teremos um melhor jogador de futebol”.

4 – ausência de um calendário nacional para as divisões de base – cada estado do país hoje trabalha da forma como entende. Seja no calendário de competições, seja nas regras dos campeonatos ou seja na atenção dada para as competições de base. São questões que interferem diretamente no trabalho de base que são desenvolvidos pelos clubes brasileiros.

Esses são pontos principais. Existem outros menores sem dúvida alguma.
Mas enfim, somos brasileiros. Estamos acostumados, lamentavelmente, a enfrentar problemas no dia a dia, que não deveriam nos ser impostos. Mas por um lado talvez isso seja bom pra gente. Somos mais “fortes”, mais criativos, mais batalhadores e mais insistentes. Talvez por isso temos os melhores jogadores do mundo.

Para finalizar, legal e muito importante destacar que todo esse trabalho da base do Fluminense só existe por causa de pessoas. Não vou citar nomes aqui por que senão ficaria o dia todo escrevendo, pois temos muita gente envolvida no processo. Um ambiente de trabalho sadio, alegre, motivador, desafiador, com pessoas dedicadas e apaixonadas pelo que fazem. Esse é o segredo por trás de tudo: pessoas.

Orgulho e gratidão a todos os envolvidos no trabalho de base do Fluminense são os melhores sentimentos que carrego comigo todos os meus dias.”

#divisoesdebase #desenvolvendotalentos #formandovencedores #transformandocriancasematletas #formandocidadaos #melhorpessoamelhorjogador

Novas camisas aprovadas

Nova Armadura

Na noite de ontem, 20/06/2017, o Conselho Deliberativo do Fluminense aprovou por unanimidade os protótipos dos novos uniformes de jogo (camisas 1 e 2), produzidos pela Under Armour. Não foram apresentados itens de goleiro, viagem, vestuário casual, infantil ou feminino, pois estas peças não são itens de deliberação no Conselho Deliberativo.

Os uniformes aprovados seguem agora para produção massiva de fábrica com objetivo de atender os pedidos de encomendas por parte dos varejistas, com a Under Armour tendo como meta de lançamento a data de 21/07/2017, aniversário de 115 anos do Flu.

As novas camisas são de muito bom gosto, inspiradas nos modelos da década de 70. Certamente se tornarão um sucesso de vendas, o que é muito bom para o clube pois neste contrato o Flu fica com um bom percentual de cada item vendido ao preço de atacado (vendas da Under Armour para os lojistas). A regra vale para meiões, camisas, shorts, agasalhos, etc.

Pouca gente divulgou mas ontem o Conselho Deliberativo também aprovou a possibilidade de parcelamento no valor do título de sócio-proprietário de 5 vezes para até 12 vezes sem juros. Além disso, o Conselho Deliberativo também aprovou a isenção de jóia. Ambas as medidas são temporárias e valerão de de 01/07/2017 a 31/12/2017. Elas visam estimular a entrada de novos sócios no momento atual de dificuldade financeira em todo país.

Conforme já publicamos anteriormente, restam poucos títulos de sócio-proprietário à venda. Fique ligado!

Na parte esportiva, convocamos nossa torcida que reside em terras catarinenses e paulistas a prestigiar as importantes partidas contra Avaí (quarta, 21:45) e São Paulo (domingo, 16h). Vamos formar uma corrente de pensamento positivo para que o time possa trazer vitórias nestes importantes compromissos fora de casa.

Jogões na sequência

sentimos e fazemos

No feriado de 15/06, às 21h, o Flu encara o bom time do Grêmio no Maracanã. Se o Flu tem desfalques, o adversário também, pois Léo Moura e Barrios estão vetados. A volta de Richarlison e a possibilidade de termos Scarpa, Wendel, Henrique Dourado e Calazans como opções entre os titulares aumentam as chances do Flu na partida. O checkin e venda online vão até esta quarta, 19h. Depois disso, só comprando o ingresso físico nos postos de venda. Fique ligado! Clique aqui para conferir todas as informações oficiais sobre ingressos.

Também já está aberto o período de checkin e venda online para o grande Fla x Flu do próximo domingo no Maraca, às 16h. Trata-se de um jogão com estádio dividido meio-a-meio. Na prática é o único clássico regional brasileiro ainda disputado nestas condições, algo que nos enche de orgulho e dá um bom exemplo de tolerância e cidadania para todas as demais torcidas. Mandante da partida, o Flu também já divulgou todas as informações oficiais sobre ingressos.

Convocamos nosso torcedor a apoiar a jovem equipe do Flu nestas importantes jornadas. O time vem sofrendo com desfalques sim, mas nunca deixou de lutar em campo. O treinador Abel Braga tem o time na mão e tem conseguido tirar o máximo desta equipe, que vem honrando a nossa camisa.

#VemProJogo

Politicagem não pode atrapalhar o Flu

politicagem

Virou moda nas redes sociais, com contaminação até dos muros do clube, culparem a Flusócio por tudo “de ruim” que ocorre no Fluminense, onde por “de ruim” pode-se entender até mesmo uma derrota no estádio do Palmeiras, jogando com o time todo desfalcado, com chance real de empatar o jogo aos 47 do segundo tempo, e onde o Flu tem retrospecto histórico amplamente desfavorável. Sabemos que muito disso são as sobras de uma eleição disputada contra agentes políticos que ainda não aceitam a derrota, acrescidas da eliminação dos subsídios às torcidas organizadas (desde 2013). Estes itens se somam à catarse coletiva em que se transformaram as redes sociais, qualquer que seja o assunto.

Mas crítica destrutiva nunca foi o modus operandi da Flusócio. Estando na oposição, na situação ou, agora, na gestão direta, sempre procuramos o diálogo e um denominador comum pelo bem do Fluminense. É assim dentro do grupo, é assim nas conversas com outros grupos. Nós nunca manobramos a imprensa colocando artigos que tem por objetivo semear o caos, até porque nunca tivemos esse acesso. Nunca precisamos de blogueiros para atuarem em nossa defesa nas redes, pois sempre fizemos isso por nós mesmos, sem prepostos. Se você discorda da Flusócio e a quer “longe do Fluminense”, tenha, ao menos, a coragem de discutir o Fluminense de forma tranquila e honesta. Sem tentar ganhar a conversa no grito, sem leviandades, sem promover difamação pessoal e sem destruir patrimônio do clube.

O ano de 2017 representa a primeira incursão da Flusócio no Departamento de Futebol. E é muito fácil observar que a maioria do elenco é composto por jogadores jovens e com ótimo mercado. O grande assédio de alguns adversários e clubes europeus aos nossos jogadores valida essa premissa.

A nova gestão também limpou o elenco da maioria das contratações e renovações prejudiciais às finanças do clube, realizadas pelas gestões anteriores do Departamento de Futebol nas figuras de Mário Bittencourt e Jorge Macedo. É um processo ainda em andamento, mas ao todo foram mais de 30 atletas emprestados ou dispensados, algo que diminuiu o custo do elenco em mais de 20%, sem prejuízo da competitividade.

Mais um item importante: desde a gestão Peter Siemsen, nosso elenco é composto por jogadores cujos direitos federativos são atrelados em grande parte ao Flu, ao contrário do que ocorria nos tempos do Horcades, quando chegamos a ter a maioria dos atletas com vínculo de apenas 20% pertencentes ao Fluminense. Todos os percentuais de direitos econômicos que o clube possui estão publicados no balanço 2016. Já parou pra imaginar quanto vale isso?

Temos hoje um elenco eficiente e em evolução, como mostram os resultados até aqui: campeão da Taça Guanabara, vice-campeão estadual, classificado na 1a Liga e na Sul-americana, eliminado pelo atual melhor time do país na Copa do Brasil e disputando G4 no brasileirão. Montamos, também, uma comissão técnica de respeito e trouxemos de volta um dos melhores treinadores do país e tricolor até o fundo da alma. Na parte de engajamento, o clube tem tentado manter os jogos no Maracanã, lugar mais acessível a nossa torcida, mesmo sob riscos de forte prejuízo. Tem tentado também fazer mudanças nas setorizações e promoções nos preços dos ingressos para atrair o torcedor ao estádio.

Pode-ser perguntar se é o elenco ideal para disputar um calendário no nível do futebol brasileiro. Claro que não. O ideal seria ter dinheiro disponível para fazer algumas contratações com objetivo de encorpar times titular e reserva e, aí sim, disputar para ganhar todas as competições. Não que os que estejam lá sejam ruins, pelo contrário. A molecada que subiu é de alto nível e ainda vai nos dar muitas alegrias. Mas um calendário tão desgastante produz desfalques, tais como os atuais 9 jogadores que temos no departamento médico e que inacreditavelmente não servem como atenuante para os críticos. Ademais, há momentos em que a falta de experiência também pesa na tomada de decisão do jogador em campo, sobretudo quando o cansaço toma conta. A oscilação num time muito jovem é sempre natural.

Contudo, sabemos que, por enquanto, não há verba disponível para contratar, ao menos não no nível desejado, e nosso papel, assim como acreditamos ser o papel de todo tricolor, é dar força ao plantel atual que vem suando a camisa, para que evoluam ao longo da temporada. Confiamos no trabalho de formação de base e na comissão técnica para lapidar esse amadurecimento. Qualidade técnica certamente não falta.

Voltando à Flusocio: quer questionar nosso trabalho? Faça-o. Aceitamos críticas e sugestões. Mas faça-o de forma educada e, sobretudo, honesta. Aponte onde, dada a conjuntura financeira do clube e, principalmente, do país, você faria diferente na montagem do elenco. Não vale dizer que contrataria uma seleção e nem que “precisamos ser criativos”, pois isso é apenas o desabafo daqueles que não conseguem apontar alternativas.

Exceto pelo Palmeiras, que tem um esquema de aporte financeiro com ordem de grandeza superior ao que tínhamos na época da Unimed, e por Corinthians e Flamengo, que recebem muito mais dinheiro da Globo que os demais, a realidade financeira dos times brasileiros é dura, e trabalhar dentro dessa realidade é essencial para a saúde do clube no médio e longo prazo.

Muito mais que um patrocinador master, algo difícil em tempos de crise econômica, a torcida é a maior chance de recuperação tricolor no curto prazo. Tornando-se sócia do clube, indo aos jogos, comprando produtos oficiais, participando positivamente nas redes sociais e na imprensa, a torcida tricolor é a melhor chance que temos de equiparar a disparidade financeira com outros rivais e nos qualificarmos para disputar os tão desejados títulos. Participe do clube, seja sócio, vá aos jogos, apoie o time.

O caminho trilhado está correto e os frutos se farão sentir ao longo do tempo. Estamos tentando voltar a andar por conta própria, sem muletas. Participe e se dê o direito e o prazer de dizer, lá na frente: “eu participei da reconstrução do Fluminense”. O Fluminense precisa de você jogando junto.

1 2 3 192