Sobre as contas de 2013

image

Conforme já noticiado na mídia, em reunião realizada na última terça-feira a Flusócio deliberou pela aprovação das contas do Fluminense referentes ao exercício de 2013. A questão se reveste de certa polêmica, haja vista que as demonstrações financeiras (DF) sofreram ressalva por parte da auditoria independente. Além disso, a rubrica “Gastos Gerais” praticamente duplicou, sem que esse aumento esteja explicado nas DF, o que gerou dúvidas e questionamentos.

A Flusócio procurou explicações para essas questões antes de deliberar seu posicionamento em relação às contas e, no que se refere à sua apreciação, deu por satisfatórias as respostas fornecidas: os “gastos” foram meramente contábeis, pois representam apenas o registro de saída do repasse da parte da Unimed relativa aos seus direitos econômicos sobre o jogador Thiago Neves, vendido em 2013. Os valores foram creditados e debitados, permanecendo o saldo (diferença) no caixa do clube, representando a parcela do clube sobre o atleta.

A ressalva ocorreu porque o clube se recusou a divulgar para o público em geral uma informação exigida nas normas do Conselho Federal de Contabilidade – CFC, a saber: “As notas explicativas devem conter, o total de atletas vinculados à entidade na data base das demonstrações contábeis, contemplando o percentual de direito econômico individual de cada atleta ou a inexistência de direito econômico”.

Procurada, a gestão do clube informou que estava disposta a conviver com a ressalva, por considerar que a informação é estratégica e que sua abertura irá prejudicar o Fluminense, dado que os agentes do mercado de futebol poderão arbitrar quando será melhor negociar diretamente com os parceiros do clube nos direitos econômicos, ou reclamar cotas maiores tendo como base outros contratos, assim deixando-nos a reboque dos interesses de terceiros.

Por reconhecer que existe mérito na posição da gestão, a Flusócio, ainda desconfortável com a ressalva, fez seu dever de casa em relação à matéria, produzindo uma análise interna, a qual conjugou ouvir membros do grupo que trabalham com finanças e conversar com especialistas em normas de contabilidade e de auditoria.

Como resultado, concluímos que das três dimensões da informação contábil – registro (escrituração); avaliação (atribuir valor); e informação (divulgar) –, a ressalva incidiu sobre questão exclusivamente informacional, não atingindo registro contábil ou valor atribuído a um direito ou obrigação. Isso significa que a ressalva não incide sobre questão patrimonial como ocorreu, por exemplo, com a ressalva nas contas do exercício de 2010. Assim, de acordo com o auditor, a situação patrimonial do Fluminense ao final de 2013 e sua evolução ao longo do exercício estão corretamente demonstradas, restando pendente uma informação que é exigida pelo CFC, mas que o clube decidiu omitir.

Continuando a análise, parece-nos que a ressalva é plenamente aderente à norma contábil, contudo, entendemos que a manifestação do auditor poderia ter sido melhor ponderada pelas normas aplicáveis às atividades de auditoria independente, as quais sinalizam que uma ressalva – algo muito grave – somente deve ser aplicada na hipótese de o auditor entender que a qualidade das DF está efetivamente prejudicada.

Não nos parece que seja o que ocorre no caso concreto, dado que a ressalva em nada prejudica o uso e pleno entendimento das DF. Em linguagem mais simples e utilizando um exemplo hipotético: se o valor do Fred não está registrado no patrimônio, o usuário não precisa saber se o clube possui 20% ou 80% da multa rescisória do jogador para avaliar se o patrimônio está corretamente registrado e avaliado.

Em suma, em nossa opinião (i) a administração do Fluminense está sendo diligente na defesa dos interesses do clube ao não divulgar ao público informação que o prejudica comercialmente no mercado do futebol; (ii) a ressalva nas DF não está relacionada à questão patrimonial, mas tão somente à omissão de uma informação; e (iii) a opinião do auditor foi mais rigorosa que o tecnicamente adequado, dado que a questão meramente informacional poderia ter sido tratada em um “parágrafo de ênfase”, no qual o leitor seria informado de que determinada informação estava inacessível.

Com fundamento no acima exposto, deliberamos aprovar as contas do exercício de 2013 do Fluminense.

Porém, ainda desconfortáveis com a ressalva dado que a mesma é negativa para a imagem do clube, a Flusócio como encaminhamento não proporá somente a aprovação das contas, mas também que o Conselho Deliberativo demande à gestão que envide esforços junto ao CFC questionando a solução adotada pelo auditor.

Finalmente, em uma brevíssima análise qualitativa do desempenho do clube a partir das DF, avaliamos que os números de 2013 indicam que, ainda que lentamente, o clube continua a avançar no equacionamento da sua situação patrimonial, o que surpreendeu bastante dado o grave problema com a PGFN e penhoras vividas durante todo o exercício. Como destaques, os pagamento de cerca de R$ 20 milhões em dívidas e o aumento de 90% nas receitas com publicidade e licenciamentos.

Flu será sede do FIFA Interactive World Cup 2014

FIWC 2014 Logo

O Fluminense será sede do FIFA Interactive World Cup 2014, evento organizado pela FIFA e pelos parceiros EA SPORTS™ e Sony PlayStation®. O evento é reconhecido no Guinness World Records como o maior torneio de games online mundial, e ocorrerá em Laranjeiras em 24/04.

Aplaudimos a boa iniciativa de Marketing, pois o assunto é comentado espontaneamente no mundo todo. A matéria que saiu na versão em inglês do site da FIFA, por exemplo, registra o seguinte sobre o estádio das Laranjeiras:

FIFA IWC 2014 Laranjeiras

“Estadio das Laranjeiras is the venue where the Brazilian national team played their first ever match, in 1914, and also where the Seleção secured their first ever title, the South American Championship, back in 1919. The venue will now host the FIWC 2014 Brazil Qualifier, bringing the modern world of the FIWC to the traditional home of Fluminense.”

Nós contra todos

Guerreiros-Tricolores

Vai começar a guerra!

Aquilo que se desenhava desde Dezembro, vai começar. Na guerra da mídia, o Fluminense foi julgado “a revelia”, com a comunicação institucional completamente inerte aos ataques à imagem e à história do clube. E todos, literalmente todos, parecem estar contra o Flu.

Dentro do clube, também o cenário não é animador. Se o desastre de 2013 indicava uma oportunidade de aprender lições e corrigir rumos, não é isso o que está se vendo.

Mas o Fluminense é maior que tudo isso. Maior que essa mídia tendenciosa. Maior também do que aqueles que, podendo corrigir os erros, erram mais ainda.

Se há algo que pode dar esperança de um Brasileiro digno é nossa torcida. É ela que vai fazer a diferença. O amor da torcida, especialmente nos jogos em casa, pode contrabalançar o ódio dos adversários inflado por essa mídia maldosa. Em tempos de estádios vazios e descrédito, a torcida tricolor precisa mostrar ao Brasil a mesma pegada que encantou a todos especialmente de 2007 até o fechamento do Maracanã.

Pelo menos isso, nossa diretoria parece ter entendido. As promoções de ingressos estão aí. Para este jogo, os preços no setor Sul são R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (Meia / Sócio-Futebol / Pacote Jogos). Sócios Contribuintes e Proprietários com Pacote Futebol não pagam.

Se há lacunas no elenco, temos também grandes jogadores identificados com o clube. Craques que, se olharem para a arquibancada, e virem a aura da verdadeira torcida tricolor, certamente renderão o que se espera deles, a despeito de qualquer outro problema do clube.

A hora é agora. Vamos lotar o Maracanã já nesse jogo contra o Figueirense e empurrar o time para os primeiros 3 pontos.

Todos ao Maracanã!

Postura estranha

Jackson critica Paes

Em vários posts recentes cobramos da área de Comunicação Institucional do Fluminense uma “pegada” mais tricolor, algo que engaje a torcida, motivando-a a comparecer aos estádios, entrar de sócio do Flu e prestigiar produtos licenciados.

Mas pelo visto tem gente que não entendeu bem o recado. Ou pior: vestiu a carapuça da falta de sangue tricolor nas veias, mas vem exagerando na dose para nublar este rótulo, com manifestações públicas que devem estar deixando a diretoria atual morrendo de vergonha.

Além de provocações até certo ponto infantis aos rivais Flamengo e Vasco, postura incompatível com um dirigente de grande clube, o assessor executivo da Presidência, que é dono de um escritório de estratégia política e também trabalha em outras frentes na política convencional, tem sido veemente nas críticas a alguns políticos, mesmo com o Fluminense atualmente negociando a viabilização do Centro de Treinamentos com o Poder Público Municipal, e ainda dependente de acordos com os órgãos do Poder Público Federal para resolver definitivamente a questão fiscal.

Perguntamos no que este tipo de conduta ajuda o Fluminense?

Até quando. Presidente Peter?

Cadê os reforços?

Jogadores

Estamos a 5 dias da estreia em um campeonato brasileiro delicadíssimo para o Fluminense. Aos olhos externos, não importa a lambança que o Flamengo protagonizou ao escalar o André Santos irregularmente, nem soa estranho a Portuguesa repetir o erro menos de 24 horas depois. O regulamento cumprido, retirando pontos de quem escalou jogadores que não podia, não importa. O que brilha e chama a atenção de todos os abutres da imprensa e rivais é o fato do Fluminense, que manteve sua pontuação e não brigou por nada na Justiça, ter escapado da série B em 2014.

Dito isto, é importante a reflexão: se fomos tão mal em campo, é natural que os reforços sejam a prioridade, certo? Na prática, a realidade é bem diferente: à exceção de Conca e Walter, duas grandes aquisições para reforçar nosso poderio no ataque, a retaguarda e o meio campo não receberam novas peças. Resumindo: vamos começar um torneio em que TODOS querem a caveira do Fluminense com a mesma base que sofreu por longos meses no brasileirão do ano passado.

O contestado Edinho saiu e o sistema defensivo segue muito vazado, o terceiro homem do meio-campo é uma incógnita e o atacante de velocidade, fundamental para fazer o Fred funcionar bem e com tranquilidade, ainda não foi encontrado.

A janela internacional se fechou, a Unimed já declarou que bateu no teto dos investimentos, então é hora do clube usar criatividade e ousadia para tentar se reforçar. O mercado interno, mesmo inflacionado e competitivo, ainda oferece opções que possam tornar o elenco mais robusto e o time mais dinâmico. Temos nove jogos duríssimos antes da pausa para a Copa do Mundo e não podemos nos dar ao luxo de esperar a volta da janela internacional para trazer novos atletas.

1 2 3 57