Momento de mobilização

MaracaTricolor

Os jogadores conclamaram em todas as entrevistas, os foruns tricolores agitam a torcida nas redes sociais, e com isso vai se criando um clima positivo, que certamente vai lotar o Maracanã no feriado de quinta-feira para empurrar o Flu contra o Chapecoense.

O jogo não é fácil, pois o adversário encontra-se em situação desesperadora, vem de uma troca de treinador e com vários jogadores novos, após algumas dispensas.

Certamente vão jogar todos atrás da linha da bola, dificultando bastante na marcação. Desta forma, assim como aconteceu no jogo contra o Botafogo, o time do Fluminense e sua torcida precisarão de paciência para rodar a bola e encontrar o ponto fraco que possa furar o bloqueio da defesa adversária.

O Flu não terá o meia Wagner, que faz sua melhor temporada em Laranjeiras, mas conta com a volta do excelente Cícero, jogador de muita qualidade e que precisa recuperar seu espaço após contusão. O resto do time é praticamente a formação titular.

Além do jogo ser decisivo para pretensões de Libertadores, um grande público pode valer ao Fluminense uma recuperação no ranking de média de público do campeonato (atualmente somos os sétimos), além de uma grande arrecadação que seria muito bem-vinda neste momento.

Na parte esportiva, temos ainda o atacante Fred disputando a artilharia da competição, distante apenas um gol de Henrique do Palmeiras.

Venda antecipada em andamento. Clique aqui para conferir todas as informações.

#VemProJogo
#AindaMaisFortes

Flu divulga contas do 3º trimestre de 2014

FinançasNo último mês de outubro, o Fluminense divulgou, em seu site oficial, as contas relativas ao terceiro trimestre de 2014. Resumimos abaixo alguns itens que nos chamaram atenção:

O primeiro (e principal) é o efeito imediato da entrada do clube no Refis, para o parcelamento da dívida fiscal. A linha de impostos e contribuições de curto prazo caiu de R$ 47 milhões para R$ 9 milhões entre o 2º e 3º trimestres de 2014, com o aumento de R$ 28 milhões no passivo de longo prazo. Ou seja, cerca de R$ 38 milhões que deveriam ser pagos, obrigatoriamente até Setembro de 2015 foram negociados, com um desconto imediato de R$ 10 milhões e a transferência do restante para o longo prazo, o que aliviou o caixa do clube, que sofria com diversas penhoras para o pagamento de impostos atrasados relativos a gestões anteriores.

Outro ponto que merece destaque é o resultado acumulado do clube. O déficit anual é de apenas R$ 175 mil, contra R$ 8 milhões no mesmo período de 2013, demonstrando melhor controle das finanças, mesmo num período em que grande parte do caixa era penhorada para pagamento de impostos atrasados. A linha de receita com associados manteve-se estável (cerca de R$ 10 milhões acumulados no ano), fundamental para compromissos do dia-a-dia. O controle de custos, mesmo não sendo o que consideramos ideal, estancou o crescimento de gastos. Vale ressaltar que este resultado ocorreu num ano em que as receitas extraordinárias não foram muito fortes. A receita com bilheteria, por exemplo está 27% menor que a do mesmo período de 2013. A rubrica de venda de jogadores também permaneceu discreta, pois até o momento, a única venda de impacto foi a do zagueiro Digão, para o Al Hilal no início do ano por EUR 2 milhões.

A Flusócio considera a gestão financeira como pilar fundamental para crescimento sustentável do Fluminense e continuará acompanhando de perto o desenvolvimento futuro das contas do clube, cobrando uma melhora das mesmas, seja no equacionamento da dívida (fiscal, trabalhista, cível e bancária), geração de novas receitas e melhor alocação de gastos e despesas.

Missão Libertadores

622_3149de0d-a7fd-3a5d-b7f9-50bd2f3c4879

Vencemos o Botafogo. Incrível que tenham se passado tantos jogos sem vitória do Fluminense no mais antigo clássico, mas ela veio em boa hora. Somamos 3 pontos, ganhamos duas posições (antes da conclusão da rodada) e nos aproximamos bastante dos times do G4. A Missão Libertadores continua de vento em popa!

O Fluminense controlou o fraco time do Botafogo durante todo o jogo. O adversário se fechou com 9 jogadores de linha, deixando apenas um atacante para tentar fazer um gol fortuito em contra-ataque, mas não tiveram muitas oportunidades. Numa delas, Carlos Alberto, um ex-craque, demorou dias para finalizar e possibilitou a recuperação do nosso bom Marlon, que lhe tirou o pão da boca. Poucas chances tiveram depois disso.

Já o Flu dominou territorialmente, teve muito mais posse de bola (60%) mas conseguia apenas cercar a área do alvinegro muito bem fechado. O time de Cristóvão, então, passou a jogar na base de chuveirinhos constantes. Foram 40 em todo o jogo! Infelizmente, cruzamentos ora sem pontaria, ora parando na zaga ou nas mãos do goleiro Jefferson.

Fred muito marcado quase não apareceu, Sóbis voltando ao meio campo também pouco ajudou na frente. Conca lutou muito tentando abrir a defesa adversária, mas também esteve muito marcado, algumas vezes com excesso de força, como tem se tornado comum nos nossos jogos contra o rival alvinegro. Destaque-se o bom jogo do Édson, que marcou, foi à frente e ainda fez o gol da vitória em um dos muitos cruzamentos, mas esse finalmente bem feito pelo Wagner.

Parece se tornar lugar comum, mas não temos como não fazer nova crítica ao técnico Cristóvão. Jogo de ataque contra defesa que teimava em ficar no zero a zero, e jamais ousamos, tirando por exemplo o Valência – que jogava quase como terceiro zagueiro contra apenas um atacante adversário – para entrada do Cícero, coerente inclusive com o jogo aéreo empregado, visto ser ótimo cabeceador. Também não foi tentado um atacante de mais velocidade, como Kenedy ou Biro, no lugar do lutador mas inoperante Rafael Sóbis. Novamente, mesmo após termos feito o gol, terminamos com duas substituições ainda por fazer e com alguns jogadores visivelmente exaustos em campo. Positivo que logo após a entrada de Walter o Flu fez seu gol e ele pôde, mesmo sendo um jogador lento, apresentar a sua habilidade em “esconder” a bola até o fim do jogo. O Botafogo não conseguiu esboçar reação até o apito final.

Teremos a chance de mais uma vitória na quinta-feira, contra o Chapecoense, mais um time que luta contra o rebaixamento. Feriado, dia de encher o Maracanã! E hoje é dia de secar os rivais diretos pela vaga na Libertadores 2015.

A três vitórias da Libertadores 2015

torcida linda IIIO baixo volume de vendas de ingressos antecipados para o jogão de sábado contra o Botafogo, às 19:30h, deixa claro que a maior parte da torcida do Fluminense ainda não percebeu o óbvio: faltam apenas 5 partidas, sendo 3 delas no Maracanã.

Se o Flu garantir as 3 vitórias em casa muito provavelmente estará na Libertadores de 2015, lavando a alma da torcida após um ano de nefasta perseguição por boa parte da mídia, achincalhe institucional e campanha 19 x 1.

Na partida de amanhã, a receita com bilheteria é toda do Fluminense. Isso mesmo, 100% do Flu, pois somos os mandantes da partida. No primeiro turno, a renda do jogo realizado em Brasília foi toda deles.

Para esta partida, teremos Fred (algoz do adversário em vários clássicos), Conca, Wagner, Marlon, Edson, Jean, Cavalieri, todos em campo. Ou seja, os jogadores de melhor produção na temporada estarão no jogo. Como opções caso as coisas comecem a dar errado, o Fluminense tem ainda Sóbis (ou Walter), Cícero, Kenedy e outros talentos. O time adversário vem todo desfalcado, com improvisações e num dos momentos mais difíceis de sua história. Tem que ser respeitado, embora a vitória seja o único resultado aceitável para o Fluminense. Certamente o time sabe disso e vai correr muito pelo resultado.

Num momento em que a instituição Fluminense tem sido finalmente aguerrida e contundente na defesa institucional no caso Lusagate, os tricolores anônimos precisam também fazer a sua parte.

A torcida será decisiva para garantir as 3 vitórias que faltam. No mínimo temos que lotar o nosso lado das arquibancadas e fazer a diferença nos jogos contra Botafogo, Chapecoense e Corinthians.

Chegou a hora da decisão! Coloque uma pilha nos seus amigos e vá ao Maraca!

#VemProJogo
#AindaMaisFortes

1 2 3 95