Bem-vinda Thinkseg!

thinkseg

Damos boas-vindas ao novo patrocinador do Flu e reproduzimos aqui o conteúdo do email enviado aos sócios do clube, que passam a usufruir de descontos na compra de seguros ao usar o aplicativo da empresa:

“O Fluminense tem o prazer de anunciar um acordo de patrocínio com a startup de seguros thinkseg. O contrato é válido por um ano e a empresa vai estar na barra traseira da camisa do time profissional. A thinkseg volta a estampar sua marca já na nova camisa tricolor, no dia 23 de Julho, no jogo diante do Corinthians. O nome da thinkseg também vai estar nos backdrops utilizados durante as entrevistas dos jogadores e do técnico Abel Braga e placas publicitárias no CT.

– Estamos muito felizes com o que é, na verdade, a renovação de uma parceria que nasceu na final do Campeonato Estadual e que, agora, se consolida definitivamente, explicou André Mizrahi, diretor de marketing do Fluminense.

Em abril, tanto o presidente Pedro Abad, quanto o CEO da thinkseg, Andre Gregori, já comentavam que a parceria, então feita para os dois jogos da final do Estadual, era apenas o começo de um projeto em conjunto para longo tempo. E desde então as conversas e negociações se mantiveram ativas, até se chegar ao formato ideal do contrato assinado essa semana.

– Estamos muito satisfeitos de voltar com a parceria e estampar nossa marca na camisa do Fluminense FC e, mais ainda, em nos juntar à especial torcida que nos acolheu com tanto carinho durante a final do Campeonato Carioca – afirma o CEO da thinkseg, Andre Gregori.

A proximidade da thinkseg junto às comunidades esportivas e aos torcedores vai ultrapassar os 90 minutos de cada jogo. De imediato, os sócios ativos do Fluminense vão contar com desconto mínimo de 5% ao baixar o aplicativo (APP thinkseg) e, também, comprarem o seguro auto na plataforma de tecnologia thinkseg – um marketplace que conecta diferentes seguradoras e corretores aos clientes.”

#SejaSocio
#SomosFluminense

Clássico vovô no Maraca

FluxBota

Após uma sequência ruim de dois empates contra Chapecoense e Bahia, o Flu conta com o apoio da torcida e com os prováveis retornos de Richarlison e Wendel como trunfos para voltar a vencer. O próximo desafio é o clássico contra o Botafogo, às 21h, da próxima quarta-feira.

O jogo acontecerá no Maraca e representa muito em termos de tabela. Em caso de vitória, a equipe tricolor tem ótimas chances de terminar a rodada no G6.

Clique aqui e confira todas as informações sobre ingressos e venda antecipada. Lembramos que checkin e venda online acontecem apenas até às 19h de terça-feira (11/07), e que as gratuidades neste jogo serão apenas no setor Sul.

#VemProjogo
#SejaSocio
#SomosFluminense

Como funciona o mercado de atletas?

Mercado da Bola

Estamos em plena janela de transferências e, nos últimos dias, aconteceram várias especulações e sondagens, em cima jogadores de vários clubes. É algo normal, inerente ao negócio futebol, mercado onde a venda de direitos econômicos sobre jogadores constitui uma das mais expressivas fontes de receita.

Também é normal a gritaria dos torcedores quando seus times de coração cogitam vender atletas, afinal, torcedor geralmente só percebe o aspecto esportivo e não considera a preocupação em pagar as contas do seu time, isso é papel das diretorias. São também bastante comuns as inúmeras avaliações sobre quanto vale cada atleta, recheadas de subjetividade, como se o preço dos DEs fosse determinado pelo clube vendedor e não pelo mercado.

Ao fazer propostas, clubes compradores ou seus agentes avaliam fatores relevantes como sua capacidade de investimento, idade do jogador, destaque recente, histórico extra-campo, histórico de lesões, biótipo físico, polivalência de posições, expectativa de crescimento e principalmente convocações para as seleções brasileiras de base e principal. Também influi bastante o interesse do atleta em se transferir.

O preço de mercado também depende da posição em campo: por isso atacantes e meias, posições que exigem maior condição técnica, são sempre mais valorizados que volantes, zagueiros e goleiros, por exemplo.

Também é importante entender que o clube tem percentuais de direitos econômicos diferentes de cada jogador. São informações públicas, obrigatórias por norma do Conselho Federal de Contabilidade, divulgada nos balanços anuais das instituições esportivas. Os balanços do Flu ficam no site oficial, menu Transparência.

Raramente um determinado clube detém 100% dos DEs de um atleta, pois a maioria dos que chegam oriundos dos trabalhos de scout e observação técnica são frutos de parcerias entre o clube comprador e outros clubes formadores (ou seus agentes representantes).

Quando se ouve falar que o Flu detém 50% dos DEs de algum atleta significa que, no momento da contratação, optou-se por dividir o risco do jogador não dar certo, pagando menos que o clube de origem pedia, mas oferecendo em contrapartida a divisão do possível lucro numa revenda. Isso aconteceu, por exemplo, na contratação do Richarlison junto ao América-MG.

Em muitos casos, o Flu conseguiu não pagar nada pela vinda do atleta, mas se comprometeu a dividir o lucro numa revenda. Isso aconteceu, por exemplo, na aquisição do Gustavo Scarpa, ainda em idade juvenil, junto ao seu ex-clube, o Desportivo Brasil.

Cessões de percentuais de DEs também são rotineiramente usados pelos clubes em renovações de contrato de atletas, para que não sejam obrigados a dar aumento tão substancial de salários quanto aquilo que foi pleiteado. Na prática funcionam como elementos de negociações com jogadores, agentes, clubes parceiros e família dos atletas.

Também é comum que, em momentos mais abastados, clubes comprem parte dos DEs de atletas mais promissores que estavam em posse de parceiros. Aconteceu, por exemplo, no caso Gerson, pois meses antes de vender o jogador para a Roma, o Flu comprou os 10% que o pai do atleta detinha, totalizando 70%.

Desde o início do mandato, o Presidente Pedro Abad tem sido muito transparente, deixando claro à torcida que o Flu terá que negociar atletas neste ano.

Mas até o momento o Flu não negociou ninguém a não ser o lateral Aílton para o Estoril e o atacante Samuel para o seu clube atual no Oriente Médio. Foram negociações oportunas, de jogadores que não estavam mais nos planos, mas os valores não resolvem os problemas de caixa do momento.

Importante também observar que a negociação do Ailton foi realizada com o artifício chamado “sell on”, ou seja, o Flu não negociou todos os 60% de DEs que detinha. Manteve 15%. Isso significa o seguinte: se hipoteticamente Ailton for revendido no futuro pelo Estoril para o Benfica por alguns milhões de euros, o Flu terá direito a 15% deste valor.

Ao longo do ano de 2017, o Fluminense já recusou algumas propostas por Richarlison (mais de uma), Scarpa, Wendel e outros. É preciso reconhecer que a diretoria está seguindo à risca a promessa de valorizar nossos ativos e não se submeter às primeiras ofertas, mesmo diante de toda dificuldade financeira do momento. Mas quem vai determinar até onde essa corda estica é um conjunto de fatores, dentre eles a percepção do mercado para o investimento, a necessidade financeira imediata do nosso clube e os possíveis leilões entre clubes compradores que desejam os atletas do Flu.

É importante o torcedor entender que não adiantaria ter um time promissor em campo com salários em atraso, pois isso enfraqueceria nossa competitividade. Bem como não adiantaria somar pontos no Campeonato Brasileiro e perdê-los por não pagamento do PROFUT, algo que pode acontecer pelas novas regras da CBF. Desempenho esportivo e saúde financeira são engrenagens totalmente encadeadas, que precisam andar juntas.

Fomos informados que a questão técnica estará sendo considerada pela diretoria na estratégia de vendas de direitos econômicos nesta janela de transferências, e que algumas reposições pontuais também poderão chegar. Mas não deve haver nervosismo se o Flu tiver que vender alguns jogadores para fazer caixa. É algo normal. Até mesmo os clubes mais abastados do país negociam atletas para se financiar, e o assédio em cima de nossos jogadores apenas mostra a força do nosso elenco, reforçando a vocação do Flu como formador de talentos.

A parceria com a 99Taxis

99

O Fluminense anunciou na quarta-feira passada uma parceria com a 99 (ex-99táxis), empresa de mobilidade urbana. A empresa torna-se o aplicativo de mobilidade oficial do clube, contribuindo para o deslocamento da equipe de funcionários e dos torcedores com rapidez, segurança e conforto, seja de táxi ou carro particular – o 99POP.

Para comemorar esta parceria e contribuir para a mobilidade urbana, no jogo Fluminense X Universidad Católica do Equador (Copa Sul-Americana), no Maracanã, na quinta-feira passada (29/06), o Fluminense e a 99 ofereceram uma corrida de até R$ 15 a todos os passageiros (código aberto) nas 440 cidades em que o app está presente. Esta promoção teve a validade até o término do jogo contra a Chapecoense, disputado nesta última segunda-feira. Para usar o desconto, bastava clicar em “Inserir cupom”, e digitar VAIDEFLU, antes de fazer a chamada pela corrida.

O que poucos sabem é que para cada novo usuário que cadastrou o cupom, o Fluminense também ganhou um valor por cada corrida feita. Somente nesta ação, mais de 1.800 usuários utilizaram o código, o que gerou uma receita não tradicional para o clube. Este número foi bem superior a outras parcerias semelhantes que já foram feitas pela 99, mostrando o forte engajamento da torcida tricolor.

A parceria com o Fluminense, válida até dezembro deste ano, inclui vantagens para torcedores do clube em todo o Brasil irem e virem nos dias de jogo, além de promoções exclusivas para sócios – a serem anunciadas ao longo do ano.

Outra contrapartida da parceria foi o patrocínio da 99 à Flu Fest, marcada para 22 de julho, em comemoração aos 115 anos no clube. O Flu fechou ainda um acordo com a área Corporativa da 99 para o transporte dos funcionários do clube, reduzindo custos mensais importantes.

A marca da 99 está presente no microfone das entrevistas coletivas, no site oficial e nas redes sociais.

Novidade: vem aí o Flu Camp

Dentro do calendário do mês de aniversário, que tem a FluFest, o Baile de Gala, desconto de jóia e parcelamento para novos sócios e outros eventos na sede, o clube lançou também um projeto novo para crianças de 8 a 13 anos. O Flu Camp, que ocorrerá entre os dias 24 e 29 de julho, será uma experiência interessantíssima para os pequenos tricolores, que poderão ter uma semana de atleta em pleno histórico Estádio das Laranjeiras.

Cada criança receberá uma mochila com dois kits completos de camisas, calções e meiões. Serão ainda três refeições diárias, fora palestras com ex-atletas do clube e aulas especiais com professores de Xerém. Estão previstos passeios para os CTs da base e dos profissionais, o que torna o programa ainda mais atrativo.

Cada sócio tem um desconto incrível de 20% para inscrever o seu filho. O benefício pode até pagar um ano da mensalidade de sócio-futebol, dependendo da categoria. As vagas são limitadas. As inscrições devem ocorrer pelo site ou na secretaria do clube. Qualquer dúvida, mande mensagem para flucamp@fluminense.com.br.

1 2 3 194