Mais títulos na base

JUVENIL-616x354

Os números não mentem: é excepcional a trajetória das duas gerações de ouro da base tricolor: 1996/1997

Depois de ter vencido o Alkass International Cup (considerado o campeonato mundial da categoria), o Campeonato Carioca e a Copa Rio (considerado o campeonato brasileiro da categoria), a equipe sub-17 do Fluminense sagrou-se campeã da Copa Nacional sub17 – ES ao bater na final o Internacional por 2×0, gols do atacante Felipe e do volante Douglas, ambos jogadores ainda do primeiro ano de juvenil (1997). O centro-avante Felipe foi o artilheiro do campeonato com 7 gols.

O Fluminense iniciou a sua campanha vitoriosa vencendo o Rio Branco – AC por 5×2, depois derrotou o Itapemirim, time da casa, por 3×1 e finalizou a primeira fase derrotando o América-MG por 2×0, terminando em primeiro lugar no grupo B.

Nas quartas de final o Fluminense aplicou uma goleada impiedosa ao América-MG por 8×0 e na semifinal disputou seu jogo mais difícil, empatando com o Atlético-PR por 0x0, vencendo por 8×7 nos pênaltis. Na final, vitória contra o Internacional, adversário também da final da Copa Rio, quando o tricolor sagrou-se vitorioso.

Vale ressaltar que o Fluminense jogou a competição desfalcado de grandes jogadores: Marcos, Bonilla, Ikaro e Gabriel convocados para Seleção Brasileira, Robert estava na Polônia com o time de juniores, Kenedy, machucado e integrado ao profissional. Daniel e Keven ficaram em Xerém fazendo um trabalho específico de fortalecimento muscular.

Xerém mais uma vez mostra a sua força e o grande trabalho que é feito pela gestão Peter nas divisões de base do Fluminense.

Sinal de alerta aceso

Rafael Sóbis x Inter

Photocamera

A sina continua: o Flu de 2013 no campeonato brasileiro é até agora o inverso do ano passado: domina seus adversários, cria muito mais oportunidades, mas termina entregando gols em falhas individuais e consequentes pontos importantes para quem almeja brigar no topo da tabela. A frieza para se defender e definir os jogos em estocadas fulminantes sumiu e deu lugar a erros bobos e alguns grosseiros.

Desde o início do ano o time tem se demonstrado irregular e com falta de foco além da conta. Saímos da Libertadores, o barco seguiu, e tínhamos uma boa colocação no brasileirão mesmo tendo atuado com reservas em alguns jogos. Agora tivemos a terceira derrota consecutiva, sempre tomando gols tolos e deixando escapar a chance de subir na tabela. Para completar, hoje nos momentos de maior pressão do Flu ainda fomos “brindados” com a ridícula atuação do goleiro adversário, que se contorcia em dores em todas as vezes em que a bola cruzava sua área.

A luz amarela já acendeu. Domingo temos a tão sonhada volta ao Maracanã, e justamente em um clássico. A casa estará cheia e a oportunidade é excelente para reaproximar time e torcida, tentando reacender a chama deixada em 2012. Não podemos repetir as besteiras recentes dentro campo, sob pena de deixarmos de lado um campeonato nivelado por baixo, que fatalmente vai se restringir a 2 ou 3 postulantes ao título após a virada do turno.

O elenco é muito melhor que a imensa maioria dos outros, mesmo após as saídas de Wellington Nem, Thiago Neves e Ricardo Berna e com o péssimo momento técnico de algumas peças. Já passou da hora do campeão brasileiro acordar.

Números desmentem falácias

bla-bla-bla

Ao final da temporada de 2008, decidimos publicar o levantamento detalhado de público e renda no Maracanã naquele ano. Os números mais uma vez desmentiam categoricamente as afirmações de Márcio Braga. O presidente rubro-negro havia sido enfático ao afirmar que “o Flamengo representava 70% do dinheiro que circula no estádio”. É claro que ele inventou tal porcentagem, assim como vários jornalistas e outros envolvidos no negócio do Novo Maracanã vêm fazendo, especialmente após o anúncio do acerto com o Flu.

A temporada 2008 é perfeita para análises comparativas entre a bilheteria das duas equipes. Ambas disputaram exatamente as mesmas competições. Se o Flu teve três jogos a mais com “casa cheia” por ter avançado até as finais da Libertadores, o rubro-negro teve a seu favor do seu resultado acumulado a disputa das finais do Campeonato Carioca.

Em se tratando de Campeonato Brasileiro, vale ainda o registro que o Flu disputou as nove primeiras rodadas com equipes mistas ou reservas, diminuindo bastante o interesse do seu torcedor. Além disso, o Tricolor figurou na parte de baixo da tabela durante toda a competição, enquanto o rubro-negro passou o campeonato inteiro em busca de vaga no G4.

No resultado acumulado de renda e público, os percentuais foram parecidos. O Flu movimentou 43,48% do público no Maracanã em 2008, cabendo ao rubro-negros o percentual de 56,58%. No quesito renda, os tricolores acumularam 45,58%, com os rubro-negros marcando com 54,42% do total arrecadado em todos os jogos dos dois clubes.

A torcida tricolor mostrou sua força em 2008 e terminou o ano com quase um milhão e duzentos mil torcedores presentes aos jogos do Fluminense. Vale lembrar que no ano seguinte começou o verdadeiro “casamento” com o time de Guerreiros, que culminou com públicos excelentes em 2010 no estádio antes de seu fechamento e com mais 2 taças de brasileirão na estante.

Além disso, a imagem abaixo, retirada de uma apresentação do atual grupo à frente do comando rubro-negro, traz uma curiosidade: eles mesmos sustentavam que o público não ultrapassa 25.000 pessoas em 85% dos casos.

ppt_flamengo

De volta ao Maracanã

Maraca TRicolor

O presidente Peter Siemsen assinou na tarde de ontem o contrato para exploração do Mararacnã pelos próximos 35 anos. A cerimônia teve cobertura ao vivo do GloboEsporte.com e do Esporte Interativo, com grandes audiência e presença de jornalistas dos mais diversos veículos. Condensamos os termos em tópicos abaixo para facilitar o debate.

Quantidade de ingressos

Em todos os jogos como mandante o Fluminense tem direito à renda de 43 mil ingressos localizados atrás dos gols. O lucro com camarotes e área vip ficará com o consórcio, mas o Clube conseguiu permanecer com o uso de dois camarotes, sendo um deles para a Unimed.

Custos

O Flu não gastará um centavo para mandar seus jogos no Maracanã. O único gasto será o pagamento da taxa da FERJ, arbitragem e o ISS, que incidirão sobre a receita arrecadada e acontecem independente do local do jogo. Isso abre oportunidades interessantes para trabalhar promoções agressivas em jogos de menor atração, como no campeonato carioca. Vale lembrar que em todas estas partidas no estadual, por exemplo, o clube teve gastos para cobrir a operação dos jogos.

Localização interna

O Fluminense terá um vestiário exclusivo e fixo, assim como sua torcida estará sempre no mesmo setor na arquibancada. Acabou o ritual forçado de ter que mudar de lado em clássicos contra o Vasco, por exemplo.Também teremos direito a um espaço para atendimento ao torcedor e uma loja.

Exploração da marca e sócio-futebol

O Flu chegou a um cenário excelente para trabalhar sua marca e seu programa de associação, um dos melhores do Brasil em benefícios e custo. Temos em nosso time simplesmente o camisa 9 da Seleção Brasileira, recém campeão justamente naquele mesmo gramado. Fred atuando no próximo ano no Maracanã é um fator de atração dos torcedores-mirins simplesmente fantástico, além de atuar no campo que sediará a final da Copa e levar o “carimbo” e a marca tricolor ao mundo.

Ainda há dúvidas e muitos discordam de alguns termos acertados, o que é normal. Nós mesmos sempre criticamos o fato de alguns contratos extrapolarem o mandato de quem os assina, mas nos parece um caso especial e quase único na história do clube. Além disso, como garantido ao vivo na coletiva pelo presidente Peter e o representante do consórcio, há a possibilidade de rescisão em caso de ofertas mais vantajosas ao Flu no futuro. E acreditamos que teremos um clube saneado financeiramente e com poder de barganha cada vez maior para pleitear melhorias em suas relações comerciais.

Nos parece que no panorama atual, com a parte financeira totalmente sufocada, um contrato em que nada se perde e ainda abre outras frentes interessantes pode sim fazer o clube atingir um novo nível de sustentabilidade.

E a força estará definitivamente nas mãos de nossa torcida. Hoje temos 17 mil sócios com direito ao jogo, e acreditamos em um novo boom de associação a partir de agora. O cenário, portanto, é o seguinte: quem quiser garantia de ingressos e descontos especiais vai precisar correr e se associar em um futuro próximo, o que é excelente para o clube!

Seja sócio! http://sejasocio.fluminense.com.br

1 185 186 187 188 189 192